Sobre andersonhander

– Empreendedor e Revisor de Texto – Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística – PPGL – UnB (Universidade de Brasília), linha de pesquisa: discurso, representações sociais e texto – Especialista em Revisão de Textos pelo Cesape – (ICPD Instituto Ceub de Pesquisa e Desenvolvimento – Centro de Especialização, Aperfeiçoamento, Extensão e Pós–Graduação) – Graduado em Letras – UnB – Blogueiro, Youtuber e Escritor * Revisei, nos últimos anos, mais de 50 mil laudas (relativas a vários gêneros textuais, especialmente gêneros acadêmicos), possuo vários atestes de capacitação técnica emitidos pelo governo, prestou serviço para instituições como Organização das Nações Unidas, Fundação Cultural Palmares. Estive envolvido em projetos de publicação de livros como Escritor Fantasma e, também, no processo de Diagramação. Presto serviço de Consultoria para elaboração de trabalhos acadêmicos na área de humanas, também ofereço cursos de redação. Auxilia muitos estudantes a prepararem-se para aprovação em processo seletivo de Mestrado. Apaixonado por outras culturas, já visitei mais de 30 países. Busca ajudar as pessoas e transformar o mundo em um lugar melhor. Site: www.criteriorevisao.com.br "Live the life you have imagined". Thoreau

ABNT e citações em notas de rodapé

Clientes e seguidores, compartilho com vocês mais uma de minhas memórias como Revisor de Textos. No e-mail a seguir, o cliente, da área de direito, fez alguns questionamentos sobre citação e notas de rodapé conforme ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).


Prezado cliente, bom dia!

Segue o seu trabalho revisado e padronizado. A grande maioria das normas de seu manual estão de acordo com as normas da ABNT. Algumas questão o manual considera opcional, outras ele, apenas, sugere. Portanto, nos casos em que o manual não versava sobre normas, como o caso de marcação de parágrafos, segui, à risca, as normas da ABNT.

Deixei vários comentários em seu texto, veja-os, por favor. Fiz, também, várias alterações gramaticais. Quanto às suas referências, você utiliza um padrão, como a maioria das pessoas de sua área, um pouco discrepante da ABNT e, inclusive, do seu manual. O seu manual menciona o sistema de autor e data, conforme ABNT e você utilizou o sistema de notas de rodapé, como a maioria das pessoas de sua área (não está errado, é mais uma característica da sua área). No entanto, eu, sempre, faço essas pontuações para trabalhos de sua área, pois, quando vocês utilizam citação em rodapé, o texto fica um pouco repetitivo. 

Veja o que quero dizer. Você insere uma citação em nota de rodapé relativa a um trecho direto ou indireto que citou:

NOTA DE RODAPÉ NO CORPO DO TRABALHO

MENDES, Paulo. A vida como ela é. ed Lea. Brasília. 1998.

BIBLIOGRAFIA AO FINAL DO TRABALHO

MENDES, Paulo. A vida como ela é. ed Lea. Brasília. 1998.
Veja que fica repetido trazer a citação e a referência da mesma forma. Mas vocês fazem isso no Direito. O que eu SUGIRO:

NOTA DE RODAPÉ NO CORPO DO TRABALHO

MENDES, p. 3, 1998.

BIBLIOGRAFIA AO FINAL DO TRABALHO

MENDES, Paulo. A vida como ela é. ed Lea. Brasília. 1998.

Por quê? Porque o leitor, no corpo do texto, precisa, apenas, da referência da citação. Ao final, na bibliografia ou referências, se ele quiser, ele consultará mais informações. Entende? 

Você utiliza o termo Idem em seu trabalho. O seu manual não versa sobre esse uso, tampouco a ABNT. Na verdade, a ABNT não sugere esse uso de expressões estrangeiras. Inclusive, eu sigo um manual que interpreta as normas da ABNT (MANUAL PARA NORMALIZAÇÃO DE PUBLICAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, 9 EDIÇÃO, JUNIA LESSA FRANÇA E ANA CRISTINA DE VASCONCELLOS), que afirma que esses termos devem ser EVITADOS! Ou seja, se houver repetições ou qualquer questão, deve-se repetir quantas vezes forem necessários os termos.  

Percebi que, ao final de seu trabalho, não há nenhuma citação iniciada com o termo BRASIL. Fiquei pensando se não seria um equívoco, pois, como é um trabalha área do direito, é muito comum que haja citação de constituição etc. e muitas destas citações iniciam-se com o nome do país ou estado relativo à lei ou constituição.

Se precisar de qualquer ajuste, estou à disposição. Preciso de um dia útil para fazer qualquer alteração no trabalho (a partir de segunda-feira da semana que vem). Você pode verificar as alterações realizadas por meio da ferramenta REVISÃO DE TEXTO. Ao final, basta aceitar todas as alterações e excluir todos os comentários.

Saudações.

Problemas de redação de artigos científicos

Memórias de um Revisor de Textos: problemas de redação de artigos científicos


“Por meio dessa técnica é realizada injeção única inferior lateral externa à orbita utilizando-se agulhas curtas com progressão da agulha, juntamente ao assoalho da órbita, sem tocá-lo tangenciando a órbita, profundidade em torno de 18 mm; com injeção 5 a 8 ml de solução anestésica”.

Vejo um problema nessa oração, relativo à estrutura. Está mal formulado. Você pode resolvê-lo da seguinte maneira: reescrevendo o período e evitando repetição do termo órbita ou isolando o termo “sem tocá-lo, tangenciando a órbita” por meio de travessão.

“Na Tabela 8, referente à Velocidade Diastólica Final e controlando por gênero, HAS e idade, pode-se concluir que, no pré e pós bloqueio, não houve diferença entre os grupos” […]

Não faz sentido. Controlando o que? Você não quis dizer: “controlado por gênero? Você pode me enviar por e-mail esse questionamento se tiver alguma dúvida ao reescrevê-lo. É preciso utilizar a ordem direta da oração para facilitar a leitura: sujeito + verbo + predicado.

“Ao observar a tabela 7, referente ao Pico de Velocidade Sistólica, levando-se em consideração gênero, HAS e idade, pode-se concluir que…”.

“Além disso, a dependência da necessidade de informação coloca os responsáveis pela tomada de decisão em relação com as comunidades epistêmicas proporcionando-lhes a oportunidade de institucionalizar sua participação nos processos políticos, e de legitimar sua influência”.

Falta clareza, especifique melhor. Por exemplo: que tipo de relação? Ou você quis dizer: “em contato”?

 “Ele permite introduzir no sentido da construção da estratégia penal formal, enfatizando que a definição dos princípios de ação em matéria penal é a necessidade da produção, pelos diversos grupos de atores, das estruturas de pensamento de ação estatal”.

Falta clareza. Especifique o objeto do verbo. Introduzir o que?

Problemas de redação acadêmica

Memórias de um Revisor de Textos: problemas de redação acadêmica


Entre as causas da inefetividade desse controle estão: a exigência legal de interpretação literal na outorgam isenções: […]

Você quis dizer: 1 “não outorgam”? ou 2 “nas outorgas de isenções”? Se a intenção for 2, sugiro que seja reformulado da seguinte maneira: “a exigência legal de interpretação literal para a outorga de isenções”.

Todavia, há autores que negam a existência, entre nós, de um autêntico poder de tributar, pois as competências impositivas encontram-se limitadas pelo Direito Positivo.

Especifique melhor. “Entre os estudiosos do direito” ou refira-se, exatamente, ao que você quer dizer.

Assim, as menções que, por apreço à tradição, aqui devem ser compreendidas como se referindo à competência tributária.

Evite o advérbio “aqui” em textos acadêmicos, refira-se, especificamente, ao que você quer dizer. Exemplo: “neste artigo”.

Os princípios constitucionais tributários estão agrupados em volta de três valores fundamentais, a saber: segurança jurídica, igualdade e liberdade.

Sugestão: “conforme três…”. Senão acatar a minha sugestão, sugiro que a expressão “em volta de” seja repensada e que o período seja reformulado.

Assim, deve ser pelo menos com relação às isenções de natureza fiscal.

Evite o verbo ser nesse caso, falta clareza. Prefira um verbo mais significativo, com maior carga de sentido.

[…] o STF declarou a inconstitucionalidade do benefício […].

Sugiro que primeiras ocorrências de siglas mencionadas no texto sejam especificadas por extenso, mesmo que sejam óbvias. Ex: “Supremo Tribunal Federal (STF)”.

 

Abreviaturas e siglas em textos acadêmicos

Compartilho com vocês este texto sobre abreviações e siglas em textos acadêmicos, de autoria de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos: Manual para Normalização de Publicações técnico-científicas. Editora UFMG. (Está na nona edição). Sempre recomendo a todos os meus clientes este material. Ele foi, inclusive, citado em minha banca e constitui uma ótima alternativa para aqueles que precisam de um intermediário para compreender as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), as famosas NBRs.


As formas abreviadas de nomes (abreviaturas e siglas) são usadas para evitar a repetição de palavras e expressões frequentemente utilizadas no texto.

EXEMPLO
DASP, DNER, COMUT
Deve-se agir com muito critério e usar as abreviaturas já existentes ao invés de criar novas. Quando uma sigla ou abreviatura for apresentada pela primeira vez no texto, deve estar entre parênteses e ser precedida do nome por extenso.

EXEMPLO
Programa de Comutação Bibliográfica (COMUT)
Não se empregam abreviaturas nos títulos e resumos dos trabalhos, para serem evitados problemas na tradução/versão destes.
Segundo convenção já consagrada, unidades de peso e medida são abreviadas quando seguem os numerais: 25g, 5ml. Quando apresentadas isoladamente, devem ser escritas por extenso: grama, mililitro, porcentagem.

Não se usa ponto nas abreviatura. Os meses do ano, em Língua Portuguesa, são abreviados pelas três primeiras letras, com exceção de maio, que não se abrevia. Para abreviaturas em outras línguas, consultar o ANEXO D deste Manual.

As abreviaturas específicas do trabalho e siglas desconhecidas devem constar de lista prévia, ordenadas alfabeticamente pela sigla, seguida do nome por extenso (FIG. 38). Quando em pequeno número, podem ser registradas no próprio texto, separadas por um hífen, da forma por extenso.

E X E M P L O
Em 1967, dizia a Comissão Econômica para América Latina – CEPAL: “O papel que a educação pode desempenhar no desenvolvimento econômico é mais evidente com a formação de mão-de-obra profissional e técnica.”

Nas citações posteriores à primeira, pode-se mencionar apenas a sigla:

E X E M P L O
Essa integração de que se falou anteriormente é vista pela CEPAL da seguinte maneira: “O desenvolvimento econômico e o educacional hão de ser coerentes […]”.

Os títulos das publicações periódicas podem ser escritos por extenso ou de forma abreviada nas referências, de acordo com a NBR 6032 (ABNT, 1989b). Sugere-se para a área biológica a adoção de abreviaturas relacionadas no BIOSIS; para a área de química, as abreviaturas constantes do CAS Source Index, que incluem listagem da maioria das publicações dessa área e para a área médica consultar o National Center for Biotechnology Information, U. S. National Library of Medicine através do site: <http://www.ncbi.nih.gov/sites/entrez?cmd=search&db=journals&gt;.

A identificação de siglas pode ser pesquisada na obra Siglas brasileiras, publicada pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciências e Tecnologia – IBICT.

No caso de coincidência de siglas para instituições diferentes, acrescentar um diferenciador entre colchetes, obedecendo a ordem alfabética do nome por extenso.

E X E M P L O
CNEM [a] – Comissão Nacional de Energia Nuclear
CNEM [b] – Comunidade Naturista Encanto de Minas
CNEM [c] – Congresso Nacional de Educação Matemática
CNEM [d] – Congresso Nacional de Educação Musical

Considerações sobre Idem, apud, op. cit. à luz da ABNT

Compartilho com vocês, seguidores, trecho de minhas memórias como Revisor de Textos. No e-mail a seguir, o cliente fez alguns questionamentos sobre o meu serviço de Formatação conforme ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Primeiramente, perguntou se eu faço sumário, se faço referências e se ajusto, em notas de rodapé, os termos estrangeiros: “Idem, apud, op. cit.”…


Sumário

Prezado cliente. Sim, faço sumário (o que não faço é enumerar os títulos do trabalho. Estes precisam ser encaminhados organizados). Faço, também, lista de tabelas, de figuras, de quadros, verifico espaçamentos, parágrafos, margens, ajusto posição de títulos de tabelas, figuras etc., fonte. Verifico se as tabelas são, de fato, tabelas (é comum uma certa confusão entre tabelas e quadros. Tabelas são vazadas nas laterais e contêm informações numéricas, diferentemente de quadros. Mas eu não intervenho em vetorização de imagens, não sou designer gráfico). 

Referências

Faço as referências, desde que haja todas as informações (não confiro, porém, se todas as referências mencionadas no corpo do texto constam nas referências. Essa etapa lógica de organização do texto deve ser realizada pelo estudante). Senão houver, deixarei um exemplo para que você, apenas, preencha as informações ausentes. Se houver todas as informações que preciso, eu mesmo farei os ajustes. Verifico espaçamento de citações diretas e indiretas e ajusto o recuo de citações com mais de 3 linhas (marcação de 4 cm).

Termos em Língua Estrangeira: idem, ibidem, op. cit.

Sobre ajuste dos termos idem etc., eu NÃO FAÇO esse serviço, pois a ABNT NÃO VERSA, em nenhuma das NBRs, sobre essa questão. Na verdade, para a ABNT, o sistema de citações é de AUTOR E DATA, ela não menciona citação por meio de NOTAS DE RODAPÉ. Outra questão: um dos melhores manuais hoje sobre formatação de trabalhos acadêmicos, que interpreta as normas da ABNT (Manual Para Normalização de Publicações Técnico-Científicas, de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconsellos (9 edição)) condena, explicitamente (posso enviar página e foto), o uso dessas expressões estrangeiras em trabalhos acadêmicos. Foi, inclusive, citado em minha banca de mestrado na UnB (Universidade de Brasília).

Ocorre que vocês, da área do direito, costumam seguir esse padrão porque gostam de utilizar termos em língua estrangeira, especialmente termos arcaicos como esses. E isso é bastante específico em sua área (mas, mesmo no direito, vários pesquisadores têm condenado esse uso). Veja com o seu orientador sobre essa questão, informe a ele que as NBRs não indicam o uso de notas de rodapé nesse caso, tampouco esses termos arcaicos: idem etc. Na verdade, você pode trazer citações em notas de rodapé caso estas sejam, por exemplo, de sites (nesse caso, você as inseriria, apenas, em notas de rodapé e não ao final do trabalho, pois são diferentes das outras referências), a ABNT não trata do assunto, mas pode ser usado para destacá-las de outras referências que não seguem esse padrão.

Sistema de autor e data

Se você precisar que as citações em nota de rodapé sejam convertidas para o formato de autor e data, eu, também, não faço essa alteração. Você mesmo precisa fazê-la. Veja com o seu orientador essa questão. Talvez ele nem saiba disso e, posteriormente, em sua banca de defesa, algum outro pesquisador possa mencioná-la  (o que é bastante comum). Eu faço uma checagem e aplicação de normas. Há casos que as normas não versam sobre, como o uso dessas expressões que você mencionou.

Formas de pagamento

Sobre o pagamento, você pode parcelar em até 24 vezes pelo Pagseguro. Encaminharei link de pagamento assim que você autorizar o serviço. O Pagseguro é um intermediário entre nós. Eles fazem uma pré-reserva em seu cartão de crédito e, 15 dias após a entrega do trabalho revisado, liberam o valor para a minha conta. Tenho 100% de todas as minhas negociações qualificadas positivamente por meio do site, portanto, tenha a certeza de que é uma ferramenta de segurança).

Estou à disposição.

Saudações. 

Problemas comuns em textos acadêmicos

Memórias de um Revisor de Textos: problemas comuns em textos acadêmicos


 

“Com fundamento na doutrina italiana, especialmente na explanação de Renato Alessi, sabe-se que os interesses públicos podem ser cindidos em interesses públicos primários e interesses públicos secundários”.

Sugiro que seja reformulado. Ex: “especialmente a respeito da…”.

“É de se concordar com esse posicionamento. Assim, as menções que, por apreço à tradição, aqui se fazem ao poder de tributar, devem ser compreendidas como se referindo à competência tributária”.

Evite o advérbio “aqui” em textos acadêmicos, refira-se, especificamente, ao que você quer dizer. Exemplo: “neste artigo”.

“Todavia, há autores que negam a existência, entre nós, de um autêntico poder de tributar, pois as competências impositivas encontram-se limitadas pelo Direito Positivo”.

Sugestão: especifique melhor. “Entre os estudiosos do direito” ou refira-se, exatamente, ao que você quer dizer.

“Assim, deve ser pelo menos com relação às isenções de natureza fiscal”.

Especifique melhor. Evite o verbo ser nesse caso. Prefira um verbo mais significativo, com maior carga de sentido.

Dentro dessa perspectiva, apreende-se o biopoder, conceito inserido […]”

Sugestão: “Para essa perspectiva”, “Em relação a essa perspectiva…”.

Segundo, com o avanço da filosofia neoliberal, o ajuste fiscal levou a implementação de orçamentos equilibrados entre receita e despesa,” […]

Sugiro que seja formulado. Ex: “Em primeiro lugar”, “Em segundo…”.

“Para um sistema legal justo, baseia-se no julgamento sólido desses terceiros imparciais, na medida em que decidem a culpa dos arguidos e atribuem punições adequadas”.

Sugestão: “Para que um sistema legal seja considerado justo, deve se basear no julgamento…”.

Se apoiar na memória nem sempre pode ser uma resposta razoável […]

Reformular para: “Apoiar-se na memória…”.

O testemunho não foi, enfatizou a corte de Smith, um diagnóstico, pois, aplicando-se esta pesquisa aos fatos do caso, não exclui a competência do júri.

Sugestão: “O testemunho não consistiu em um diagnóstico, enfatizou a corte de Smith, pois a aplicação desta pesquisa aos fatos do caso não exclui a competência do júri”.

“No caso da Escola Base, o imaginário popular constituiu terreno fértil para a condenação precipitada dos donos do estabelecimento, uma vez que, até o laudo emitido pelo Instituto Médico Legal, era inconclusivo e poderia sugerir tanto uma possível agressão quanto assaduras infantis por micose ou higiene inadequada”.

Especifique o sujeito do verbo ser. Evite esse verbo em textos acadêmicos. Prefira termos mais significativos, com maior carga de sentido.

Revisão de Textos acadêmicos

Memórias de um Revisor de Textos: orientações aos clientes

Compartilho com vocês, clientes e seguidores, trecho de um e-mail, que encaminhei a um cliente (que contratou serviço de Revisão de Textos Acadêmicos), explicando-lhe como utilizar a ferramenta Revisão de Textos do Word. Também trago algumas dicas a ele sobre o ofício de Revisão de Textos, bem como sobre como pensar o texto durante o processo de redação.

Obs: se você chegou a este post procurando por serviço de consultoria linguística ou revisão de textos, veja a descrição de meus serviços neste link.

Para melhor organizar o texto, decidi organizá-lo por meio de títulos.


Prezados cliente, bom dia!

Ferramenta Revisão de Texto do Word

Em relação aos comentários que deixei, você precisa passar o mouse sobre ocomentário para que ele indique a qual parágrafo eu fiz referência. Eu acredito que não esteja entendendo como utilizar a ferramenta Revisão de Texto do Word. Eu posso lhe explicar. Quero dizer que o comentário que indiquei está ligado a uma oração ou período ou vocábulo, para verificá-lo, você precisa passar o mouse por cima do comentário. Entendeu? 

Eu JAMAIS enviaria um texto revisado a um cliente sem indicar, ao menos, onde há o problema na oração. Eu sei, EXATAMENTE, onde o problema está. Eu posso, inclusive, explicar em termos técnicos a você o problema, especificar se é um problema de nível sintático, semântico, vocabular ou se constitui, simplesmente, um problema de estilo e não de gramática. Mas eu cobro por esse serviço de consultoria. Para o caso de Revisão Ortográfica e Gramatical, somente, eu não deixo explicações gramaticais sobre o problema. Eu, geralmente, explico que há um problema no período (mas o problema não é gramatical, senão, eu mesmo alteraria. Quando eu deixar um comentário, o problema é relativo ao conteúdo, ou é algum problema de outra ordem). É nesse momento que, talvez, algum cliente fique “perdido”, pois muitos não têm noção alguma sobre técnicas de redação ou conhecimentos básicos sobre Língua Portuguesa. Infelizmente, esta não é minha responsabilidade, pois eu ofereço serviço de Revisão de Texto e nós sabemos os problemas em relação à Educação no Brasil, especialmente em relação à Língua Portuguesa (eu fui Professor durante dez anos, inclusive, corretor no ENEM).

Quanto ao fato de não saber a razão de algum problema no texto, não se preocupe, eu não faço alterações aleatórias no texto dos clientes, e, mesmo que eu tenha dificuldade para identificar algum problema, eu, SEMPRE, pesquiso e busco por soluções em manuais ou juntamente à Academia Brasileira de Letras. Eu, verdadeiramente, me preocupo com o texto do cliente, como se fosse o meu.

O diálogo com o orientador 

Tenho, também, outra dica a você: o seu orientador não é da área de Língua Portuguesa, mesmo que ele seja doutor, ele não tem os subsídios necessários para explicar questões gramaticais, linguísticas. Ás vezes, orientadores de outras áreas pensam que há um problema no texto de ordem gramatical, mas estão discutindo, meramente, estilo textual e não questões gramaticais.

Há muitos mal entendidos sobre a Língua Portuguesa por aí. Eu, além de Revisor de Texto, Professor, sou Linguista. A Linguística é a Ciência que estuda a Língua. É o ramo da ciência responsável por responder aos questionamentos de pesquisa desta área. Então, é importante que você confie em mim nesse momento. E que compreenda o que quero dizer e que leve ao seu orientador as minhas discussões, que converse com ele. 

O seu orientador, também, não pode esperar de você, absolutamente, em um primeiro momento, um texto perfeito. Ele tem de entender que o texto é um processo de construção. E a Revisão deTexto “entraria” juntamente ao final desse processo. Se você precisar de um ateste de que o texto foi revisado por mim, o que parece ser a sua maior preocupação, eu posso fazê-lo e assiná-lo para que você o anexe juntamente ao seu trabalho. Mas lembre-se de que, após os meus comentários, se você não alterar adequadamente os períodos que indico, mesmo que eu envie um ateste de que revisei o seu texto, não tenho como me responsabilizar por este, porque não vi o texto novamente.

Segunda e terceira Revisão de Texto

Eu sugiro que você se debruce o máximo que puder sobre o seu texto e que o envie para Revisão ao final, para que não pague por segunda, terceira ou quarta Revisão de Texto. Redigir um texto constitui um processo sempre inacabado. Se você não quer gastar muito dinheiro com isso, envie o seu texto em uma etapa final. Senão, você terá de pagar por consultoria, terá de pagar por segundo olhar, terceiro.

Segunda, terceira revisão são um consenso em minha área. Todos os contratos que tenho com empresas incluem terceira, segunda revisão. Por isso indico que você leia os artigos que redigi sobre o que é revisão de texto, para que tenha subsídio, inclusive, para discutir com o seu orientador, quando ele desconstruir o seu texto ou exigir, em um primeiro momento, um texto perfeito. Criticar é muito fácil, especialmente para um orientador, mas fazer o devido papel de orientador, auxiliar, verdadeiramente, os orientandos e exercer o devido papel de Professor é para poucos.

Consultoria linguística para desenvolvimento de trabalhos acadêmicos

Eu sugiro, nesse caso, serviço de consultoria, em que eu ensino aos meus clientes todas essas questões, é um serviço que constitui uma aula, praticamente. No caso do serviço de Revisão Crítica, eu posso explicar, DETALHADAMENTE, qual é o problema e até sugerir caminhos para reformulá-lo, com exemplos, é uma revisão mais “didática”. 

Veja o que decidiu e me informe, para que eu inicie a Revisão.

Estou à sua disposição.

Saudações.