Prêmio Respostas para o Amanhã

A Coordenação Geral de Ensino Médio informa que os conteúdos para os professores está ar no portal Prêmio Respostas para o Amanhã, são materiais que abordam temas estruturantes para a participação no Prêmio, como sustentabilidade, projeto e a pesquisa no campo científico.
Lembramos que os professores que fizerem seu cadastro no site também terão acesso a um Percurso Formativo criado para contribuir com sua prática educativa e a um curso sobre projetos de aprendizagem e os professores que tiverem seus projetos classificados, receberão certificados de participação.
A proposta do Prêmio Respostas para o Amanhã é engajar os jovens em ações de transformação social que levem para a vida a aplicação prática dos conhecimentos curriculares e ainda dá tempo pois as inscrições para a 3ª edição do Prêmio Respostas para o Amanhã, encerra-se no dia 29 de agosto !
Para maiores informações sobre inscrição, regulamento, prêmios, categorias e contatos dos organizadores acesse o link: http://www.respostasparaoamanha.com.br ou Central de Atendimento 0800 777 4567, de segunda à sexta das 9h às 18 h .

Fonte: Ministério da Educação, envio por e-mail.

Alguns trabalhos revisados em maio de 2016

Revisão de Texto

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Programa de Pós-graduação em Ciência Animal Tropical. DETECÇÃO DE DNA DE Mycobacterium bovis EM SANGUE, LEITE E QUEIJO COALHO PELA qPCR E ANÁLISE DOS FATORES ASSOCIADOS À INFECÇÃO EM REBANHOS BOVINOS DA MICRORREGIÃO GARANHUNS, ESTADO DE PERNAMBUCO, BRASIL. Renata Duarte da Silva Cezar. Tese de doutorado. Renata Duarte da Silva Cezar. Recife. 2016. Revisão ortográfica e gramatical.

Florida Cristian University. Dissertação de mestrado, psicologia Multifocal. Gleice Correa Leite Aguiar. UM ESTUDO DOS PENSAMENTOS DIALÉTICOS, ANTIDIALÉTICOS E ESSENCIAIS DIRECIONADOS PARA AUXILIAR O TRATAMENTO DE DISTUBIOS MENTAIS. 2016. Revisão ortográfica e gramatical, e formatação.

Universidade Paulista (UNIP). Maria Izabel Galvão de França. PIERRE BOURDIEU E O SER PUBLICITÁRIO: A REPUTAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PARA A FORMAÇÃO ACADÊMICA EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA E SEU PAPEL COMO FOMENTO NA REPRODUÇÃO DE DESIGUALDADES. São Paulo.  2016. Revisão crítica e consultoria de tese de doutorado.

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. SINTOMAS DE ANSIEDADE, DEPRESSÃO E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES SUBMETIDOS À TIREOIDECTOMIA TOTAL: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CÂNCER DIFERENCIADO DA TIREOIDE E DOENÇA NODULAR BENIGNA. Francisca Lúcia Passos Dantas. Dissertação de mestrado. São Paullo. 2016. Revisão ortográfica e gramatical.

Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). PROJETO PARA UTILIZAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DE MARKETING NA FORÇA DE VENDAS. Felipe Augusto dos Santos. Canoas, Rio Grande do Sul. Projeto de pesquisa. 2016. São Paulo. Revisão crítica e formatação.

Alguns trabalhos revisados em fevereiro de 2016

Revisão de Texto

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Maria de Fátima Pereira. Do Programa Bolsa Família ao Brasil Sem Miséria: a pobreza institucionalizada na prática de técnicos e gestores públicos. Tese de doutorado. Revisão Crítica e padronização conforme manual Unicamp. 2016.

Universidad Argentina John F. Kennedy. Faculdad de Psicología. Departamento de Psicología Social. Psicologia social do trabalho: viés da comunicação social nas institituições de saúde pública. Marli Rigo. Buenos Aires. 2015. Revisão de Texto e padronização. Conforme normas internacionais da APA.

Elaboração de Ficha Catalográfica de livro: Destino Circo: o espetáculo da vida das pessoas que fazem o circo/ Julie Asdurian, Viviane Burger, Nicole Zeghbi. Curitiba.

Universidade de Brasília (UnB). Mestrado acadêmico em meio ambiente e desenvolvimento rural. Igor Proença do Espírito Santo. A inclusão da sociedade civil nas diretrizes de gestão e manejo da estação ecológica de águas emendadas. Brasília-DF. 2016. Dissertação de mestrado. Revisão Crítica de texto e padronização conforme normas da ABNT.

Universidade Federal Fluminense. Instituto de Comunicação e Artes. Programa de pós-graduação em estudos contemporâneos das artes. Priscila Arantes Rampin. Pequenas desordens: usos físicos e simbólicos da cidade. Niteroi. 2016. Revisão Crítica de Texto e padronização conforme normas da ABNT.

Útimos trabalhos revisados

Revisão de Texto

Serviço de Revisão Ortográfica e Gramatical, Revisão Crítica e Padronização (ABNT, VANCOUVER e APA).

Universidade de São Paulo (USP – FUNDACE). O plano sucessório para uma empresa familiar prestadora de serviço. Samantha Vendramini Politano. Revisão Crítica e padronização. 2015. USP. São Paulo. (TCC MBA).

A regulação do comércio eletrônico de medicamentos no Brasil: o caso do Tribulus Terrestris. Itamar de Falco Junior e Pérola Magalhães. Revisão ortográfica e gramatical, e padronização. Artigo científico. 2015.

Fundação Getúlio Vargas. Escola de Direito. As comissões de assuntos fundiários de âmbito Municipal e os novos paradigmas da regularização fundiária. Jacob Sauer. Revisão ortográfica e gramatical, e padronização. TCC (MBA em Poder Judiciário). 2015.

Actinomicose oral: revisão de literatura. Aderbal Sousa Pereira Júnior1,Stephany Vasco Ferreira2,Lucas Senhorinho Esteves3,Águida Cristina Gomes Henriques Leitão4,Raphael Luís Rocha Nogueira5, Jean Nunes dos Santos6. Revisão ortográfica e gramatical, e padronização. Artigo científico. 2015.

Adolescência Silenciada. Pétala GB. Revisão ortográfica e gramatical, diagramação e formatação. Livro. Goiânia. 2015.

Faculdade de São Bernardo do Campo. Camila vieira Fernandes. Carla Bromatti, Cítia Santos Prado, Jéssica Oliveira. Os impactos dos métodos e recompensas no desempenho dos colaboradores dos segmentos das indústrias metalúrgicas e indústrias químicas de São Bernardo do Campo. Revisão Ortográfica e Gramatical, e Padronização. Trabalho de Conclusão de Curso. 2015.

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas). Jenephe Barbosa. Gestão de custo em empresas de pequeno porte: estudo de caso em uma fábrica de roupas. TCC (curso de Ciências Contábeis). 2015.

Universidade de Brasília (UnB). Thaís Torquato Salles. Silenciamento do canal de potássio Eag1 potencializa efeitos da temozolomida em células U-87 G de glioblastoma multiforme. Revisão ortográfica e gramatical, e padronização. Dissertação de mestrado. 2015.

Universidade de São Paulo (USP). Filipa Martins Oliveira. A utilização de mobile devices na recolha de informação quantitativa no continente africano: uma pesquisa exploratória em Angola. Revisão crítica e tradução de Português de Portugal para Português do Brasil.TCC (MBA em gestão de marketing estratégico). 2015.

Faculdade de Direito Milton Campos. Amanda Daniela Benfica Paulon. A expansão do Direito Penal no contexto da atividade empresarial: a pessoa jurídica e a responsabilidade criminal. Nova Lima. Dissertação de mestrado. 2015.

Evolução do grau de sofisticação das exportações brasileiras (2000 – 2013). Ariane Danielle. Artigo científico. Revisão Ortográfica e Gramatical, e Padronização.  2015.

PUC-PARANÁ (Pontifícia Universidade Católica do Paraná). Requisitos para seleção de mecanismos de busca. Grazielle Caroline Grossklags. Curso: sistema de Informação. Monografia, TCC. 2015.

UFBA (Universidade Federal da Bahia). O abandono do tratamento no contexto dos cuidados de saúde mental para crianças e adolescentes. Dissertação de mestrado. Revisão crítica e padronização. 2015.

Faculdade Unida de Vitória. Eloi Angelos Ghio. Secularização, laicidade e ensino religioso no Brasil. Dissertação de mestrado. Revisão crítica e padronização. 2015.

A vis atractiva do crime: mídia e a judicialização da opinião pública. Shelley Macias Primo Alcolumbre. Artigo científico. Revisão crítica e padronização. 2015.

O que aprendi como revisor em 2015?


Critério Revisão

Algumas coisas que aprendi como Revisor em 2015

1. Não há consenso entre os gramáticos quanto ao uso de vírgula antes de “etc.”

2. Não é possível trabalhar com revisão de texto com um computador ruim, com processador abaixo de 8 GB de memória ram (é preciso
ter uma boa máquina e um bom processador para que verificadores ortográficos funcionem corretamente e seja possível utilizá-los
para facilitar o ” pente fino” no serviço de Revisão de Texto, além disso, arquivos muito extensos “quebram” em máquinas com processamento baixo).

3. Não faz sentido revisar mais do que 30 páginas de um mesmo trabalho por dia, isso gera sérios vícios e compromete a qualidade
do serviço.

4. Publicar um livro é um processo muito demorado e complexo.

5. É muito mais agradável prestar serviço para pesquisadores e intelectuais do que para o governo e ter de lidar com alguns
funcionários públicos.

6. Prefiro revisar dissertações de mestrado em vez de TCC.

7. Trabalhar com notebook e não utilizar mouse pode gerar problemas nas articulações dos dedos =).

8. Trabalhar em casa pode ser um problema quando você perde o contato social (físico) cotidiano.

9. Cada serviço de Revisão constitui um valor, o que implica que a contratação de serviço de Revisão não implica revisões infinitas.

10. Sou MUITO mais valorizado como Revisor do que como professor.

Memórias de um revisor: português do Brasil e de Portugal

Memórias de um revisor: português do Brasil e de Portugal

Memórias de um revisor: português do Brasil e de Portugal

Trecho de um e-mail que enviei para uma cliente portuguesa, esclarecendo questões relativas a diferenças entre Português do Brasil e de Portugal.

Embora eu consiga entender completamente o que você escreveu, isso deve-se ao fato de a norma escrita no Português do Brasil estar muito relacionada a uma norma que se baseia no Português de Portugal, que não é tão diferente, se pensarmos em fala e em escrita, como no Brasil. No Brasil, o Português falado, em determinada região e em determinado contexto, é completamente diferente do Português escrito. E, mesmo assim, há vários gêneros textuais que, na escrita, permitem linguagem mais formal (próxima da gramática normativa, cujas regras fundamentam-se em Português de Portugal, algumas, e não todas) e menos formal (próximas de registros de fala do brasileiro que são muito diferentes de Portugal e que já constituem outra língua). Por isso, pode parecer estranho eu falar em tradução, já que é tão fácil a nossa comunicação, mas essa facilidade se deve a essas questões que lhe disse.

Uma outra contribuição que tenho sobre essas questões linguísticas refere-se ao fato de que, se nós insistirmos em utilizar a noção de “erro”, em língua, nós podemos incorrer na falácia de que existem línguas inferiores ou superiores e culturas superiores ou inferiores, já que língua também constitui um aspecto de uma cultura, o que constitui uma manifestação equivocada das nossas relações de poder.

Não existe uma língua melhor ou pior, tampouco, dentro de uma mesma língua, um falar pior ou melhor, existem linguagens variadas, formais ou informais, que oscilam. Algumas são mais prestigiadas e outras mais estigmatizadas. É claro que as estigmatizadas não são muito interessantes de serem utiliziadas em contextos formais, mas elas consistem na fala de determinado grupo e essa fala não deixa de ser menos “língua” em virtude de esse grupo ser, por exemplo, pobre ou estigmatizado ou não por qualquer motivo que seja.

Existe língua, quem faz a fala de quem fala é quem fala. Obviamente, na escrita, há um maior policiamento do falante e maior rigor na escrita, uma certa “tradição”, mas isso varia de gênero para gênero textual. E, no caso do Português do Brasil, alguns gêneros mais formais têm “quebrado” com determinadas formulações. Por exemplo, construções como “dar-te-ei”, em Português do Brasil, são questionadas por alguns gramáticos, são já consideradas por gramáticos e linguistas brasileiros como formulações “arcaicas”. Tenho ceteza, no entanto, que elas são muito representativas em Português de Portugal. E isso deve-se a processos de transformações de língua, que variam, mudam, oscilam e até formam, dependendo de questões de isolamento ou de influência de outros idiomas, outras línguas.